Núcleo de Apoio aos Discentes e Docentes

Sobre:

O NADD tem duplo valor: de um lado a palavra “Núcleo” que congrega, integra, une pessoas, campos de conhecimento, espaços; de outro, a palavra “Apoio” que aponta para um termo que lança, alcança, sugere caminhos de desenvolvimento e de aprendizagens cognitivas e de convivência.
Assim sendo, o NADD compreende que uma das contribuições da Instituição de Ensino Superior é desenvolver um projeto de educação comprometido com o desenvolvimento da inteligência humana, enquanto elaboração cada vez mais enriquecida de complexos simbólicos.
A tarefa educativa está, portanto, no contato com pessoas ainda indiferenciadas do meio ao movimento de integrá-las, transformá-las na busca de sua identidade e de sua autonomia de pensamento.
O NADD, tencionando uma atuação coerente com os princípios institucionais, normas e leis brasileiras, tem como princípio uma atuação sócio-construtivista que afirma serem as estruturas de conhecimento e, por conseguinte, de aprendizagem construída pelo sujeito mediante não só a sua ação sobre o meio físico e social, mas também
mediante um processo de interação dialética sujeito/meio sócio-cultural.

Objetivos:
a) Proporcionar ao acadêmico as condições de auto conhecimento e auto realização,
favorecendo seu equilíbrio afetivo emocional, a fim de possibilitar opções;

conscientes nas suas tarefas e disponibilizar lugar e ou recursos internos;
b) Estimular o comprometimento e convívio adequado do aluno à Instituição, família e comunidade;

c) Pesquisar a atual situação do corpo discente em relação à aprendizagem, refletindo, enviando e executando ações que permitam a construção de um conhecimento acadêmico de qualidade, incentivando sempre a pesquisa e extensão;

d) Assistir os alunos que apresentem deficiência na aprendizagem em alguma(s) disciplina(s) objetivando sempre que possível, a ampliação do número de atividades de nivelamento, acompanhadas pelos docentes e quando possível por alunos monitores;

e) Acompanhar os alunos no processo ensino-aprendizagem, visando o uso pleno de seus recursos afetivos relacionais, na busca da construção da sua autonomia;

f) Apoiar, mediar, promover ações que permitam o desenvolvimento e a construção do conhecimento, com qualidade, de alunos portadores de necessidades especiais;

g) Favorecer a criação de parceiros na organização de eventos que possibilitem o aprimoramento acadêmico;

h) Colaborar com o Corpo Docente face à obtenção dos objetivos propostos, tendo em vista a eficácia do processo ensino-aprendizagem;

i) Facilitar as relações interpessoais do Corpo Discente com o Corpo Docente e demais funcionários, descobrindo e redescobrindo as suas diferentes linguagens;

j) Apresentar propostas de aprimoramento, atualização e adequação do currículo, tendo em vista as exigências e necessidades peculiares do curso, mantendo a integridade da política educacional do Ensino Superior;

k) Acompanhar o desenvolvimento das ações pedagógicas, em especial da prática avaliativa, valorizando a sua função diagnóstica, o que garantirá aos docentes um instrumento mais objetivo de tomada de decisões;

l) Promover o exercício do diálogo, como possível instrumento político essencial à construção das práticas cotidianas e fator decisivo no processo de abertura para sugestões de alunos e professores;

m) Incentivar e valorizar o trabalho coletivo, potencializando os recursos humanos e materiais existentes, em função de projetos que privilegiem o investimento na “força do coletivo”;

n) Incentivar o envolvimento da Comunidade Acadêmica na elaboração de propostas que garantam a eficácia da avaliação como instrumento de transformação;

o) Fornecer insumos para conhecimento, revisão e reformulação de políticas, estratégias e metas, visando o aperfeiçoamento e melhoria do desenvolvimento institucional;

p) Avaliar a eficácia do trabalho acadêmico pelo confronto entre os objetivos.